Ansiedade

O que é a ansiedade?

A ansiedade é uma reação normal ao estresse e pode ser benéfica em algumas situações.Ela nos alerta dos perigos e nos prepara emocionalmente para uma reação que pode ser tipo luta ou fuga.
Já os transtornos de ansiedade diferem dos sentimentos normais de ansiedade, por que envolvem medo excessivo, antecipação de uma preocupação futura, tensão muscular e pode estar presente comportamentos de evitação, evitando situações no trabalho, na escolar ou em relacionamentos.

O transtorno de ansiedade é um dos mais frequente na população geral. Em geral, para o diagnostico de transtorno de ansiedade é necessário:

  • Estar fora de proporção com a situação ou inapropriados
  • Persistir por seis meses ou mais
  • Dificultar a sua capacidade de funcionar normalmente

Existem vários tipos de transtornos de ansiedade, incluindo transtorno de ansiedade generalizada, transtorno do pânico, fobias específicas, agorafobia, transtorno de ansiedade social e transtorno de ansiedade de separação.

Transtorno de ansiedade generalizada (TAG)

O transtorno de ansiedade generalizada envolve preocupação persistente e excessiva que interfere com as atividades diárias. Esta preocupação contínua e de tensão pode ser acompanhado por sintomas físicos, tais como agitação, cansaço, dificuldade de concentração, tensão muscular ou problemas para dormir. Muitas vezes, as preocupações se concentram em aspectos cotidiano, como as responsabilidades do trabalho, saúde da família ou questões menores, tais como, reparos do carro, compromissos ou tarefas diárias.

Síndrome do pânico

O sintoma principal de Síndrome do pânico é crises de pânico recorrentes, uma combinação inseparável de sofrimento físico e psicológico. Durante uma crise vários desses sintomas ocorrem em combinação:

  • Palpitações, coração batendo em ritmo acelerado
  • Sudorese (suor excessivo)
  • Tremor em mãos
  • Sensação de falta de ar ou asfixia
  • Dor no peito
  • Tontura ou sensação de desmaio
  • Dormência ou formigamento
  • Calafrios ou ondas de calor
  • Dores abdominais ou náuseas
  • Medo de perder o controle
  • Medo de morrer

Como os sintomas são tão graves, muitas pessoas que experimentam uma crise de pânico podem acreditar que estão tendo um infarto cardíaco ou outras doenças com risco de vida.
E procuram um pronto Socorro, relutando em aceitar ajuda psiquiátrica por preconceito, desconhecimento ou falta de orientação correta, levando a diversas passagens pelo PS até que procure ajuda.

As crises de pânico podem ser esperados, como uma resposta a um objeto temido, ou ocorrem de forma inesperada sem motivos.

Fobia específica

A fobia específica é o medo excessivo e persistente de um objeto específico, situação ou atividade que geralmente não é prejudicial. Pacientes sabem que o seu medo é excessivo, mas eles não podem superá-lo. Estes receios causar tal aflição que algumas pessoas vão a extremos para evitar o que eles temem. Exemplos são o medo de voar ou medo de aranhas.

Agorafobia

Agorafobia é o medo de estar em situações em que a fuga pode ser difícil ou embaraçosa, ou a ajuda pode não estar disponível. O medo é fora de proporção com a situação real e dura geralmente seis meses ou mais e causa problemas no funcionamento. Uma pessoa com agorafobia experimenta esse medo em duas ou mais das seguintes situações:

  • Usando o transporte público
  • Estar em espaços abertos
  • Estar em locais fechados
  • Ficar na fila ou estar em uma multidão
  • Estar fora de casa sozinho

O indivíduo evita ativamente a situação, exige um companheiro ou permanece com intenso medo ou ansiedade. A agorafobia não tratada pode se tornar tão grave que uma pessoa pode ser incapaz de sair de casa.

Transtorno de Ansiedade Social (anteriormente chamado de fobia social)

Uma pessoa com transtorno de ansiedade social tem significativa ansiedade e desconforto em ser constrangido, humilhado, rejeitado ou desprezado em interações sociais. As pessoas com este transtorno vai tentar evitar a situação ou suportá-la com grande ansiedade. Exemplos comuns são medo extremo de falar em público, conhecer novas pessoas ou comer / beber em público. O medo ou ansiedade causa problemas com o funcionamento diário e dura pelo menos seis meses.

Transtorno de Ansiedade de Separação

Uma pessoa com transtorno de ansiedade de separação é excessivamente medo ou ansiedade sobre a separação daqueles com quem ele ou ela está ligado. O sentimento está além do que é apropriado para a idade da pessoa, persiste (pelo menos quatro semanas em crianças e seis meses em adultos) e causa problemas de funcionamento. Uma pessoa com transtorno de ansiedade de separação pode ser persistentemente preocupado em perder a pessoa mais próxima a ele ou ela, podem estar relutantes ou se recusar a ir para fora ou dormir fora de casa ou sem essa pessoa, ou podem sentir pesadelos sobre separação. Os sintomas físicos de sofrimento muitas vezes se desenvolvem na infância, mas os sintomas podem durar até a idade adulta.

Fatores de risco

As causas dos transtornos de ansiedade são desconhecidas, mas provavelmente envolve uma combinação de fatores, incluindo fatores genéticos, ambientais, psicológicos e de desenvolvimento.

Diagnóstico e Tratamento

Infelizmente, muitas pessoas com transtornos de ansiedade não procuram ajuda. Eles não percebem que eles têm uma doença e que tem tratamento eficaz. O primeiro passo é consultar o seu médico para se certificar de que não há problemas clínicos causando os sintomas. Um psiquiatra poderá junto com você e a equipe multidisciplinar propor a melhor forma de tratamento.

Cada transtorno de ansiedade tem características únicas, porem a maioria responde bem a dois tipos de tratamento: psicoterapia e medicamentos. A terapia pode ajudar uma pessoa a pensar de uma maneira diferente, reagir e se comportar para  se sentir menos ansioso. Medicamentos não vão curar distúrbios de ansiedade, mas pode dar um alívio significativo aos sintomas.

Os medicamentos mais utilizados são ansiolíticos (geralmente prescritos apenas por um curto período de tempo) e antidepressivos. Os beta-bloqueadores, usados ​​para doenças do coração, às vezes são usados ​​para controlar os sintomas físicos de ansiedade.

Enfrentando a ansiedade

Estudos demonstram que técnicas meditação pode ser útil como terapia coadjuvante. Os grupos de apoio podem proporcionar uma oportunidade para compartilhar experiências e estratégias de enfrentamento. Além disso, aprender mais sobre as especificidades de uma doença pode ajudar a família e amigos a compreender melhor os sintomas.

Essas informações tem caráter educativo, elas não caracterizam uma consulta médica, cada caso deve ser avaliado em suas particularidades. Em caso de dúvidas o seu médico deverá ser consultado.